sexta-feira, março 25, 2011

Killing Time.

Estava naquela tempestade de chuva, diferente de todas que já havia visto. Eu então noto certo medo de passar por ela e encontrar um lugar seguro, afinal poderia existir pedras naquele caminho. Estava hesitando dar um passo para frente quando pude avistar alguém de longe a me olhar, ele usava um chapéu semelhante à cartola e estava com um guarda-chuva na mão direta e com a esquerda passou acenar para mim me chamando para onde estava, ele se parecia com um mágico, mas talvez nem fizesse mágica. Mesmo com medo fui até lá enfrentando a chuva e o vento, era a desesperadora a sensação de dúvida de seguir ou não, mas eu a venci e cheguei, então fui surpresa por aquela imagem bonita de alguém incrível, seus olhos tinham um tom perfeito e brilhava como estrelas, ele parecia viver em outro mundo o qual estava disposta entrar... E assim terminava o trecho daquele velho livro que então foi fechado sem sombras de conclusão.

6 comentários:

Rubi disse...

Um texto breve, porém tocante.
Parabéns pelo bom uso das palavras!

Virgilio Kruschewsky disse...

Eu não teria coragem de me aproximar. E já aconteceu comigo terminar um livro e não ter a mínima idéia da conclusão.

Barbara Nonato disse...

Gostei!
Narrativa que prende e surpreende no final. Muito bom!!!

· Dany Souza disse...

Não sei pq imaginei q fosse Charles Chaplin! Kkk
Blog ótimo! Beijos

Viviane Shahara disse...

Olá
Parabéns pelo blog
Estou te seguindo, pode me seguir tbem?

William Candaten disse...

Nice job ;DD